O Buda disse, “Conquistar a raiva por não-raiva. Conquistar o mal pelo bem. Conquistar avareza pela liberalidade. Conquistar um mentiroso pela verdade.”(Dhammapada, v. 233)

a Raiva é um dos grandes obstáculos na prática Budista — e na vida diária. O próprio calor da raiva obscurece nossas mentes-e não apenas nossas próprias mentes, mas aquelas que tocamos: on-line no Facebook ou Twitter, aquelas com as quais interagimos no trabalho, e nossas relações em casa. A raiva é contagiosa e perigosa.

Road rage irrompe espontaneamente, e pode ser perigoso tanto para si mesmo como para outros. Buda ensinou métodos de mindfulness para acalmar a raiva, e não apenas para subjugar, mas converter-se em prática Dharma valiosa.

nos ensinamentos budistas, a raiva é mais frequentemente metaforicamente comparada com um” incêndio florestal fora de controle” ou um “elefante raivoso”.”Porquê estes dois? Simplesmente porque a raiva reage e destrói rapidamente; nós muitas vezes não temos tempo para controlá-lo — ele tende a explodir de forma destrutiva para fora: angry palavras que ferem, raiva punhos que se machucam, raiva armas que matam, raiva ações que destroem relacionamentos, raiva reações que destroem os negócios.

vale a pena lembrar a história de Buda acalmando o “elefante selvagem” com um gesto simples e um comportamento Pacífico. Com a prática, a mente calma e paciente pode superar o flash destrutivo da raiva.

Shakyamuni subjuga um elefante com bondade amorosa e o Abhaya gesto. O elefante ficou furioso com o diabólico Devadatta. Os elefantes são sagrados e amados pelos budistas.

Cinco Maneiras de Acabar com a Raiva

Embora os Sutras discutir soluções para a raiva em grande detalhe (ver três sutras abaixo), as recomendações de Buda pode ser pensado como esses cinco, liderado pela atenção plena, que é o principal entre todos raiva soluções de gestão de:

  • meditar com atenção plena no momento presente, observando a raiva, mas não participar dele (Mesmo psicoterapeutas usar a consciência para ajudar os pacientes a administrar a raiva.)
  • estar atento à bondade dos outros, e esquecer a sua falta de cortesia
  • a prática de metta bondade e compaixão por todos os seres, colocando o seu primeiro os inimigos em suas meditações
  • o uso da sabedoria e da paciência, uma forma de sabedoria): analisar a raiva meditatively, compreender a sua causa e efeito; a abordagem de problemas com paciência, com o tempo, a raiva desaparece
  • “substituição” método: o substituto de algo de positivo para o negativo. Em outras palavras, se a ação de uma pessoa enfurece você, analise a pessoa para encontrar os positivos em que você pode se concentrar. (Por exemplo, um chefe de polícia enfurece uma comunidade por causa de uma regra de “SEM Margem de manobra” em multas de trânsito; mas se você analisar o chefe de polícia você vê que sua comunidade tem a menor taxa de crime na área. Na prática Tântrica, a substituição se torna “conversão” onde emoções aflitivas são convertidas em ação positiva e prática. (Classically, Yamantaka wrathful deity meditation for anger.)

numerosos estudos revistos por pares de meditação demonstraram os benefícios reais para a saúde e a mente-incluindo conversão ou supressão da raiva.Mahayana: soluções de sabedoria e soluções de compaixão ou, você pode pensar nisso em termos Mahayana – soluções de sabedoria e soluções de compaixão. Sabedoria soluções incluem:

  • a prática da atenção plena (mesmo “live”, que raiva de chamada de telefone ou de reunião)
  • análise de raiva meditação
  • praticar a paciência

a Compaixão soluções incluem:

  • metta e a bondade amorosa meditação
  • método da substituição: acho que um dos aspectos positivos de uma pessoa ou situação, para ajudar a colocar o negativo em perspectiva.

vale a pena ler através dos três sutras nesta característica. Essas são as preciosas palavras de Darma; nenhum conselho maior pode ser oferecido.Há também soluções para a raiva contida no Tantra (por exemplo, a prática de Yamantaka é muito poderosa para “pessoas zangadas”; ou prática de Chod, onde “alimentamos nossos demônios”. Todas as tradições budistas têm extensos ensinamentos sobre a raiva.

um monge budista compartilha um momento de ternura com um cão e um macaco. A bondade é a maneira Budista.as consequências kármicas são reais ainda a fervilhar da última luta no trabalho ou discussão em casa? Encontrar uma mente tranquila naquela noite, durante a sua sessão de mindfulness, pode tornar-se esquivo. Pior, se a raiva ganhar impulso, pode haver consequências cármicas muito negativas. O arrependimento só vai tão longe se a tua raiva já magoou alguém. Então, há a consequência Cármica muito real de ” retribuição.”

the Dalai Lama said, ” Violence is old-fashioned. A raiva não te leva a lado nenhum. Se você pode acalmar sua mente e ser paciente, você será um exemplo maravilhoso para aqueles ao seu redor.”

um comentário raivoso descuidado no Facebook pode levar a sentimentos feridos — até consequências terríveis no caso de uma pessoa clinicamente deprimida. Palavras que expressam raiva têm poder feroz para danificar, magoar, até matar. A raiva leva a lutas, acidentes, homicídios e guerra. E, na nossa prática diária, Isso torna uma mente calma e estável quase impossível. Ou pode fazer – te sentir muito mal durante semanas.

o conceito de consequências da ação é um entendimento básico no Budismo e em todos os caminhos Dhármicos espirituais. A imagem do porco mordendo a cauda da cobra que está mordendo a cauda da cobra ilustrou o ciclo interminável de sofrimento que se segue — até que o ciclo seja quebrado. Quebrar esse ciclo é o caminho budista.

soluções Sutricas: discursos sobre raiva

muitos discursos e Sutras (Sutta em Pali) tocam a raiva, notavelmente, o Madhyama Agama no.25 (texto completo com tradução por Thich Nhat Hanh abaixo) e o Akossa Sutra (texto completo também abaixo.) Also, the Vitakkasanthaana Sutta (below.) Para resumir, no entanto, podemos destilar os métodos do Buda para cinco recomendações-chave que realmente funcionam, ainda hoje, em nosso mundo moderno, caótico, irritado.

a raiva é destrutiva na maioria das áreas da vida. A raiva pode ser construtiva quando confrontada com a injustiça social — se for convertida em ação construtiva.

grandes mestres como Shantideva também ensinaram gestão da raiva: “a raiva é o maior mal; a paciência é a maior austeridade.”O grande professor, e autor do Bodicharyavatara, basicamente nos informa que a paciência e a paciência são uma austeridade maior e mais desafiadora do que o jejum, as orações, a prática, as peregrinações.

em outras palavras, não é fácil controlar a raiva.o que causa raiva de um ponto de vista Budista?

o budismo é sempre sobre causa e efeito. O Karma é basicamente definido dessa forma. Como Buda descreveu a causa da raiva? Lama Surya Das, explica:

“A principal klesha, que alimenta todo este dualismo do apego e da aversão que nos move é a ignorância, ou a ilusão e confusão. Da ignorância vem a ganância-avareza, desejo, luxúria, apego e todo o resto. Também da ignorância vem a raiva, a agressão, a crueldade e a violência.”

A raiz do sofrimento é o apego, e o apego.ele continua a explicar: “Estes dois venenos são as forças básicas conflitantes dentro dos EUA-apego e aversão. Eles vêm da ignorância, e eles realmente não são assim tão diferentes: “afastem-se” e “eu quero” são muito semelhantes, assim como afastar e puxar em direção; e ambos causam raiva a surgir. A raiva é frequentemente apontada como a mais destrutiva das kleshas, devido à facilidade com que degenera em agressão e violência.”

Psicologia da raiva de um ponto de vista Budista

ensinamentos budistas muitas vezes se alinham com psicoterapia e Psiquiatria. Os ensinamentos da raiva certamente se alinham diretamente. Lama Surya das explica: “a raiva é facilmente incompreendida. É muitas vezes mal compreendida na nossa prática budista, fazendo-nos suprimi-la e tornar-nos mais doentes, inquietos e desequilibrados. Acho que vale a pena pensar nisto.

tanto na psicologia como na prática budista, meditamos para converter sentimentos de raiva. Aqui, na meditação da Deidade, uma deidade perversa é visualizada. Através de uma visualização guiada e práticas formuladas com precisão, o aluno aprende a abraçar a raiva de forma construtiva.a psicoterapia também pode ser útil. Aprender a compreender a cadeia causal da raiva que surge, bem como os fluxos indesejáveis e destrutivos de raiva e seu ódio malicioso primo pode ajudar a fortalecer a nossa vontade de controlá-la inteligentemente. Além disso, reconhecer os lados positivos da raiva – como a sua capacidade pontiaguda de perceber o que está errado em situações, incluindo injustiça e injustiça – ajuda a moderar a nossa reactividade cega a ela e gerar respostas construtivas.”

A psicologia budista difere em profundidade, no entanto. Como explica Ani Thubten Chodren:

“a ciência diz que todas as emoções são naturais e Ok, e que as emoções se tornam destrutivas apenas quando elas são expressas de uma forma ou tempo inapropriados ou a uma pessoa ou grau inapropriados….A terapia visa mais mudar a expressão externa das emoções do que a experiência interna delas. O budismo, por outro lado, acredita que as emoções destrutivas em si são obstáculos e precisam ser eliminados para ter felicidade.”

Mindfulness always Works

em última análise, mindfulness é o método mais frequentemente recomendado. O muitas vezes citado: “o passado se foi, o futuro ainda não está aqui” pensamento, combinado com relaxar a mente em um estado observante onde observamos apenas o momento presente. Se pensamentos zangados surgem em nossa meditação, nós observamos ao invés de reagir. Embora seja” mais fácil dizer do que fazer ” realmente funciona. Por esta razão, a prática diária de mindfulness é uma boa estratégia. Desta forma, quando necessário para nos ajudar a resolver a raiva, podemos usar técnicas bem praticadas. Há até livros de negócios que ensinam como ser consciente durante um encontro “zangado”, como manter o controle e gerenciar as emoções dinamicamente. Buda, é claro, ensinou estes métodos há mais de 2500 anos.

Meditation, particularly mindfulness, a method developed by Buddha, helps us regulate our bodies and emotions. Na mindfulness nós “observamos” ao invés de reagir ou agir na raiva.

igualmente, a meditação Metta, uma prática budista Mahayana, é muito poderosa como um remédio. Se praticarmos a compaixão e a bondade para com todos os seres, diariamente, quando confrontados com o comportamento do “mal”, é mais provável sentirmos compaixão em vez de ódio ou raiva. As afirmações de Metta não dizem ” que alguns seres sejam felizes e livres do sofrimento.”Diz:” que todos os seres sejam felizes.”Isto inclui os nossos inimigos.

substituição, análise e ignorar métodos

um método para superar a mente discursiva, explicado no Vitakkasanthaana Sutta( texto completo abaixo), foi explicado pelo Abençoado:

“O Bhikkhu assistir a um determinado sinal, se o mal Demeritorious pensamentos surgir condutora de interesse, raiva e delusão, ele deve mudar o que entrar e assistir a algum outro sinal condutora de mérito, em seguida, aqueles sinais, que contribui para o interesse, a raiva e a ilusão se desvanece, e a mente se instala e vem para um único ponto.”

the rest of the Sutra then explains what to do if the substitution doesn’t work, which break down into:

  • analise a raiva: “Quando os perigos desses pensamentos são examinados esses maus pensamentos des-meritórios conducentes ao interesse, raiva e ilusão desvanecem-se.ignore a raiva: “quando aqueles maus pensamentos des-meritórios conducentes ao interesse, raiva e ilusão não são atendidos, eles desaparecem. Com o seu desvanecimento A mente se acalma e chega a um único ponto.”

Discourse on the Five Ways of put an End to Anger

Translation by Thich Nhat Hanh from the Madhyama Agama No. 25

Buddha taught incontáveis students during his 80-year life. Seus ensinamentos são capturados em milhares de sutras (suttas).ouvi estas palavras do Buda uma vez quando ele estava hospedado no Mosteiro de Anathapindika, no Bosque de Jeta, perto da cidade de Shravasti.um dia, o Venerável Shariputra disse aos monges: “Amigos, Hoje eu quero compartilhar com vocês cinco maneiras de acabar com a raiva. Por favor, ouça com atenção e ponha em prática o que eu ensino.o bhikshus concordou e escutou com atenção.o Venerável Shariputra Então disse: “Quais são essas cinco maneiras de pôr um fim à raiva?esta é a primeira maneira. Meus amigos, se há alguém cujas ações corporais não são amáveis, mas cujas palavras são amáveis, Se você sente raiva em relação a essa pessoa, mas você é sábio, você saberá meditar a fim de pôr um fim à sua raiva.meus amigos, dizem que há um ascetismo praticante de bhikshu que usa um manto de retalhos. Um dia ele está passando por um monte de lixo cheio de excrementos, urina, muco, e muitas outras coisas sujas, e ele vê na pilha um pedaço de tecido ainda intacto. Usando sua mão esquerda, ele pega o pedaço de pano, e ele pega a outra extremidade e estica-a com sua mão direita. Ele observa que este pedaço de tecido não é rasgado e não foi manchado por excrementos, urina, sputum, ou outros tipos de sujeira. Então ele dobra-a e guarda-a Para levar para casa, lavar-se e coser-lhe a túnica de retalhos. Meus amigos, se somos sábios, quando as ações corporais de alguém não são amáveis, mas as suas palavras são amáveis, não devemos prestar atenção às suas ações corporais cruéis, mas apenas estar atentos às suas palavras amáveis. Isto vai ajudar-nos a acabar com a nossa raiva.meus amigos, este é o segundo método. Se você se zanga com alguém cujas palavras não são gentis, mas cujas ações corporais são gentis, se você é sábio, você saberá meditar a fim de pôr um fim à sua raiva.meus amigos, dizem que não muito longe da aldeia há um lago profundo, e a superfície desse lago está coberta de algas e grama. Há alguém que se aproxima daquele lago que está com muita sede, sofrendo muito do calor. Ele tira suas roupas, salta para a água, e usando suas mãos para limpar as algas e grama, gosta de tomar banho e beber a água fria do lago. É o mesmo, meus amigos, com alguém cujas palavras não são amáveis, mas cujas ações corporais são amáveis. Não preste atenção às palavras dessa pessoa. Apenas esteja atento às suas ações corporais, a fim de ser capaz de pôr um fim à sua raiva. Alguém que é sábio deve praticar assim.aqui está o terceiro método, meus amigos. Se há alguém cujas ações corporais e palavras não são gentis, mas que ainda tem um pouco de bondade em seu coração, se você sente raiva para com essa pessoa e é sábio, você saberá meditar para pôr um fim à sua raiva.meus amigos, digam que alguém vai para uma encruzilhada. Ela é fraca, sedenta, pobre, quente, privada e cheia de tristeza. Quando ela chega na encruzilhada, ela vê uma pegada de búfalo com um pouco de água da chuva estagnada nela. Ela pensa para si mesma: “há muito pouca água na pegada deste búfalo. Se eu usar minha mão ou uma folha para pegá-lo para cima, eu vou agitá-lo para cima e ele vai se tornar lamacento e indrinkable. Portanto, terei de ajoelhar-me com os meus braços e joelhos sobre a terra, pôr os meus lábios à água, e beber directamente. Imediatamente, ela faz isso.meus amigos, quando você vê alguém cujas ações corporais e palavras não são gentis, mas onde ainda há um pouco de bondade em seu coração, não preste atenção às suas ações e palavras, mas à pequena bondade que está em seu coração para que você possa pôr um fim à sua raiva. Alguém que é sábio deve praticar dessa forma.este é o quarto método, meus amigos. Se há alguém cujas palavras e ações corporais não são gentis, e em cujo coração não há nada que possa ser chamado de bondade, se você está com raiva dessa pessoa e você é sábio, você saberá meditar a fim de pôr um fim à sua raiva.meus amigos, suponhamos que há alguém numa longa viagem que adoece. Ele está sozinho, completamente exausto, e não perto de nenhuma Aldeia. Ele cai em desespero, sabendo que ele vai morrer antes de completar sua jornada. Se naquele momento, alguém aparece e vê a situação deste homem, ela imediatamente pega a mão do homem e leva-o para a próxima aldeia, onde ela cuida dele, trata sua doença, e garante que ele tem tudo o que ele precisa por meio de roupas, remédios e comida. Por causa dessa compaixão e bondade amorosa, a vida do homem é salva.exatamente assim, meus amigos, quando vocês vêem alguém cujas palavras e ações corporais não são gentis, e em cujo coração não há nada que possa ser chamado de bondade, dão origem a este pensamento: “Alguém cujas palavras e ações corporais não são gentis e em cujo coração não há nada que possa ser chamado de bondade, é alguém que está passando por grande sofrimento. A menos que ele encontre um bom amigo espiritual, não haverá chance para ele se transformar e ir para reinos de felicidade. Pensando assim, você será capaz de abrir seu coração com amor e compaixão para com essa pessoa. Você será capaz de pôr um fim à sua raiva e ajudar essa pessoa. Alguém sábio devia praticar assim.meus amigos, este é o quinto método. Se há alguém cujas ações corporais são gentis, cujas palavras são gentis, e cuja mente também é bondosa, se você está com raiva dessa pessoa e você é sábio, você saberá meditar a fim de pôr um fim à sua raiva.meus amigos, suponham que não muito longe da aldeia há um lago muito bonito. A água no lago é clara e doce, o leito do lago é uniforme, as margens do lago são exuberantes com grama verde, e ao redor do lago, belas árvores frescas dão sombra. Alguém que tem sede, sofrendo de calor, cujo corpo está coberto de suor, vem ao lago, tira suas roupas, deixa-os na praia, salta para a água, e encontra grande conforto e prazer em beber e banhar-se na água pura. Seu calor, sede e sofrimento desaparecem imediatamente.da mesma forma, meus amigos, quando virem alguém cujas ações corporais são gentis, cujas palavras são gentis, e cuja mente também é gentil, prestem atenção a toda a sua bondade no corpo, na fala e na mente, e não permitam que a raiva ou o ciúme vos dominem. Se você não sabe viver feliz com alguém que é tão fresco como isso, você não pode ser chamado de alguém que tem sabedoria.meus queridos amigos, partilhei convosco as cinco maneiras de pôr fim à raiva.quando o bhikshus ouviu as palavras do Venerável Shariputra, eles ficaram felizes em recebê-las e colocá-las em prática.

Madhyama Agama 25
(Corresponde com Aghata Vinaya Sutta
, Anguttara Nikaya 5.162)

Akkosa Sutra

Insulto

Buda de ensino.ouvi dizer que uma vez a abençoada estava perto de Rajagaha, no Bosque De Bambu, O Santuário dos Esquilos. Em seguida, o Brahmin Akkosaka (“Insulter”) Bharadvaja ouviu que um brâmane do Clã Bharadvaja tinha saído da vida doméstica para o sem-abrigo na presença do Abençoado. Irritado e descontente, foi ter com o Abençoado e, ao chegar, insultou-o e amaldiçoou-o com palavras rudes e duras.quando isso foi dito, o Abençoado lhe disse: “o que você acha, Brahmin: amigos e colegas, parentes e parentes vêm a você como convidados?Sim, Mestre Gautama, às vezes amigos e colegas, parentes e parentes vêm a mim como convidados.”

” E o que você acha: você os serve com alimentos básicos e não-básicos e iguarias?Sim, às vezes sirvo-os com alimentos básicos e não básicos e com iguarias.e se não os aceitarem, a quem pertencem esses alimentos?se eles não os aceitarem, Mestre Gautama, esses alimentos são todos meus.da mesma forma, brâmane, aquilo com que me insultaste, que não me insultas; o que me provocaste, o que não está a provocar, o que me repreendeste, o que não está a repreender, o que não aceito de ti. É todo teu, brâmane. É todo teu.

“quem retorna insulto a quem está insultando, retorna insultos para quem está insultando, retorna uma repreensão para quem está repreendendo, é dito estar comendo juntos, compartilhando companhia, com essa pessoa. Mas não vou comer juntos nem partilhar a tua companhia, brâmane. É todo teu. É todo teu.”

” O rei, juntamente com sua corte, sabe isso do Mestre Gautama — ‘Gautama o contemplativo é um arhat’ — e ainda assim o mestre Gautama fica com raiva.”

” Whence is there anger for one free from anger, tamed, living in tune — one released through right knowing, calmed and Such.”pioras as coisas quando atiras-te a alguém que está zangado. Quem não atacar alguém zangado ganha uma batalha difícil de vencer.”você vive para o bem de ambos – seu próprio, do outro-quando, sabendo que o outro é provocado, você conscientemente fica calmo.

“When you work the cure of both-your own, the other’s — those who think you a fool know nothing of Dhamma.quando isso foi dito, o brâmane Akkosaka Bharadvaja disse ao Abençoado: “magnífico, Mestre Gautama! Magnífico! Como se ele fosse colocar na vertical, o que tinha sido derrubada, foram para revelar o que estava oculto, foram para mostrar o caminho para aquele que foi perdido, ou foram para segurar uma lâmpada no escuro para que aqueles com olhos podia ver formas, da mesma forma Mestre Gautama tem — através de muitas linhas de raciocínio — fez com que o Dhamma claro. Eu vou para o Bem-aventurado para refúgio, para o Dhamma, e para a comunidade de monges. Deixe-me obter a saída na presença do Mestre Gautama, deixe-me obter a admissão.”

então o Brahmin Akkosaka Bharadvaja recebeu a entrada e a admissão na presença do Abençoado. E não muito tempo depois de sua admissão — habitação sozinho, isolado, heedful, ardente e decidido, ele em nenhum tempo alcançou e permaneceu no supremo objetivo da vida santa, para que membros do clã justamente sair de casa para a situação de sem-abrigo, conhecer e perceber por si mesmo no aqui e agora. Ele sabia.: “O nascimento terminou, a vida santa cumprida, a tarefa cumprida. Não há mais nada para o bem deste mundo.”E assim Ven. Bharadvaja tornou-se outro dos Arhats.

Vitakkasanthaana Sutta

A mente pensante discursivamente

ouvi assim.

ensino de Buda.em certa altura, o Abençoado viveu no mosteiro oferecido por Anathapindika em Jeta grove, Savatthi. O Abençoado dirigiu-se ao Bhikkhus de lá. Bhikkhus, pelo Bhikkhu desenvolvendo a mente cinco coisas devem ser atendidas de vez em quando. O que cinco: o Bhikkhu atendendo a um certo sinal se os pensamentos demoníacos Demeritorious surgem condutivos ao interesse, raiva e ilusão, ele deve mudar esse sinal e atender a algum outro sinal condutor ao mérito, em seguida, esses sinais conductivos ao interesse, raiva e ilusão desvanecem, e a mente se estabelece e chega a um único ponto. Como se um carpinteiro esperto ou o seu aprendiz se livrasse de uma peg grosseira com a ajuda de uma peg fina. Da mesma forma, o Bhikkhu atendendo a um certo sinal, se os pensamentos demoníacos Demeritorious surgem conductivos ao interesse, raiva e ilusão, ele deve mudar esse sinal e atender a algum outro sinal condutor ao mérito, em seguida, esses sinais conductivos ao interesse, raiva e ilusão desvanecem, a mente se estabelece e chega a um único ponto.mesmo quando o Bhikkhu mudou o sinal e compareceu a algum outro sinal, se pensamentos malignos de mérito surgem conducentes ao interesse, raiva e ilusão, o Bhikkhu deve examinar os perigos desses pensamentos. Estes meus pensamentos são maus, defeituosos e trazem resultados desagradáveis. Quando os perigos desses pensamentos são examinados esses maus pensamentos des-meritórios conducentes ao interesse, raiva e ilusão desvanecem-se. Com o seu desvanecimento A mente se acalma e chega a um único ponto. Tal como uma mulher, um homem, uma criança ou um jovem apaixonado pelo adorno detestaria e ficaria enojado quando a carcaça de uma cobra, cão ou cadáver humano fosse enrolada à volta do pescoço. Da mesma forma, quando o Bhikkhu mudou o sinal e atendeu a algum outro sinal, se os maus pensamentos de-meritório surgem condutivos para o interesse, raiva e ilusão, o Bhikkhu deve examinar os perigos desses pensamentos. Estes meus pensamentos são maus, repugnantes, defeituosos e trazem resultados desagradáveis. Quando os perigos desses pensamentos são examinados, esses maus pensamentos des-meritórios conducentes ao interesse, raiva e ilusão desvanecem-se. Com o seu desvanecimento A mente se acalma e chega a um único ponto.mesmo quando o Bhikkhu examinou os perigos desses maus pensamentos des-meritórios conducentes ao interesse, raiva e ilusão, se esses maus pensamentos des-meritórios conducentes ao interesse, raiva e ilusão surgem, ele não deve atendê-los. Quando esses maus pensamentos des-meritórios conducentes ao interesse, raiva e ilusão não são atendidos, eles desvanecem. Com o seu desvanecimento A mente se acalma e chega a um único ponto. Como um homem que não gostaria de ver formas, que chegassem ao ponto de vista, ou fechava os olhos ou desviava o olhar. Da mesma forma, quando o Bhikkhu examinou os perigos desses maus pensamentos des-meritórios conducentes ao interesse, raiva e ilusão, Se maus pensamentos des-meritórios conducentes ao interesse, raiva e ilusão surgem, ele não deve atender a eles. Quando esses maus pensamentos des-meritórios conducentes ao interesse, raiva e ilusão não são atendidos, eles desvanecem. Com o seu desvanecimento A mente se acalma e chega a um único ponto.mesmo quando o Bhikkhu não atendeu a esses pensamentos demoníacos conducentes ao interesse, raiva e ilusão, se esses pensamentos demoníacos conducentes ao interesse, raiva e ilusão surgirem, ele deve atender para apaziguar todo o processo de pensamento intencional. Quando atendem para apaziguar todo o processo de pensamento intencional, esses pensamentos demoníacos que conduzem ao interesse, à raiva e à ilusão desvanecem-se. Com o seu desvanecimento A mente se acalma e chega a um único ponto. Como se tivesse ocorrido a um homem andando rápido: por que devo andar rápido, e se eu ficar de pé? Então ele ficava de pé. De pé, ocorreu-lhe: Por que eu deveria ficar de pé, e se eu me sentar. Depois sentava-se. Sentar-se-ia a pensar: por que deveria sentar-me, e se mentisse? Assim, abandonando a postura mais grosseira, manteria a postura mais fina. Da mesma forma, quando atendem para apaziguar todo o processo de pensamento intencional, esses maus pensamentos des-meritórios conducentes ao interesse, raiva e ilusão desvanecem-se. Com o seu desvanecimento A mente se acalma e chega a um único ponto. .

Mesmo quando se dirigem para aplacar a todo o pensamento intencional processo, os mal Demeritorious pensamentos, que contribui para o interesse, a raiva e a delusão surgir, o Bhikkhu deve pressionar o maxilar superior sobre o maxilar inferior e empurrando a língua no palato deve subjugar e queimar aqueles mal Demeritorious pensamentos condutora de interesse, raiva e ilusão. Então esses pensamentos demoníacos que conduzem ao interesse, à raiva e à ilusão desvanecem-se. Com o seu desvanecimento A mente se acalma e chega a um único ponto. Como se um homem forte, levando um mais fraco pela cabeça ou pelo corpo, o pressionasse e o incomodasse. Da mesma forma, o Bhikkhu deve pressionar a mandíbula superior na mandíbula inferior e empurrar a língua no paladar deve subjugar e queimar esses pensamentos demoníacos que conduzem ao interesse, raiva e ilusão. Então esses pensamentos demoníacos que conduzem ao interesse, à raiva e à ilusão desvanecem-se. Com o seu desvanecimento A mente se acalma e chega a um ponto.Bhikkhus, o Bhikkhu atendendo a um certo sinal, se pensamentos demoníacos conducentes ao interesse, raiva e ilusão surgem, ele atende a outro sinal condutor do Mérito, esses pensamentos demoníacos conducentes ao interesse, raiva e ilusão desvanecem-se. Com o seu desvanecimento A mente se acalma e chega a um ponto .quando se trata do perigo daqueles pensamentos demoníacos que conduzem ao interesse, à raiva e à ilusão, esses pensamentos demoníacos que conduzem ao interesse, à raiva e à ilusão desvanecem-se. Com o seu desvanecimento A mente se acalma e chega a um ponto. Quando não atendem a esses pensamentos demoníacos que conduzem ao interesse, à raiva e à ilusão, esses pensamentos demoníacos que conduzem ao interesse, à raiva e à ilusão desvanecem-se. Com seu desvanecimento A mente se estabelece e chega a um ponto: ao atender para apaziguar todo o processo de pensamento intencional, esses pensamentos demoníacos que conduzem ao interesse, à raiva e à ilusão desvanecem-se. Com seu desvanecimento A mente se acalma e chega a um ponto, o Bhikkhu pressionando a mandíbula inferior com a mandíbula superior e empurrando a língua no paladar iria subjugar e queimar esses pensamentos demoníacos conducentes ao interesse, raiva e ilusão. Então esses pensamentos demoníacos que conduzem ao interesse, à raiva e à ilusão desvanecem-se. Com o seu desvanecimento A mente se acalma e chega a um ponto. Bhikkhus, isto é chamado de Bhikkhu é mestre sobre os processos de pensamento. Qualquer pensamento que ele queira pensar, que ele pensa, qualquer pensamento que ele não queira pensar, que ele não acha que ele põe um fim ao desejo , dissipa os laços e, legitimamente, superar a medição faz um fim de desagradabilidade. .o Bem-aventurado disse Assim, e os Bhikkhus ficaram encantados com as palavras do Bem-aventurado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.